Horário de verão termina neste final de semana

Cidades

CPFL Piratininga registrou economia de energia de 7.060 MWh, capaz de abastecer Indaiatuba por dois dias

A CPFL Energia, maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, acaba de fazer um balanço do horário de verão, que termina a zero hora do domingo, 17 de fevereiro, quando os relógios devem ser atrasados em uma hora. De acordo com levantamento do Grupo, a redução no consumo de energia elétrica durante os 105 dias de vigor do horário especial gerou uma economia de 64,7 mil MWh nos 679 municípios de sua área de concessão nos Estados de São Paulo e Rio Grande do Sul, volume suficiente para abastecer 27 mil residências por um ano.
Dentre as distribuidoras do Grupo, a CPFL Paulista foi a concessionária que registrou o maior volume de energia economizado durante o horário de verão 2018/19, de 48.561 MWh. Para efeito de comparação, esse montante seria suficiente para abastecer por quatro dias a cidade de Campinas, por 12 dias São José do Rio Preto, por oito dias Ribeirão Preto, por 28 dias Marília, ou por 17 dias Bauru.
Por sua vez, a CPFL Piratininga, que atende a 27 municípios no interior paulista e Baixada Santista, registrou uma economia no consumo de energia 7.060 MWh, volume capaz de abastecer por um dia as cidades de Santos, Sorocaba e Jundiaí ou por dois dias a cidade de Indaiatuba.
De acordo com o diretor de Distribuição da CPFL Energia, Thiago Freire Guth, os resultados mostram que a adoção do horário de verão é um capaz de melhorar o aproveitamento da luz natural e de reduzir o consumo de energia elétrica, especialmente a demanda no horário de pico, das 18 às 21 horas. Para o executivo, o deslocamento do horário oficial em uma hora, principal objetivo do horário especial, contribui para mitigar os riscos de sobrecarga no sistema elétrico, no momento em que é mais demandado.
“Normalmente, as pessoas começam a chegar em suas casas a partir das seis da tarde, sendo que uma das primeiras ações é acender a luz. Na mesma hora, entram em operação a iluminação pública e os luminosos comerciais, além de as indústrias seguirem operando. No período do horário de verão, com o adiamento dos relógios em uma hora, as cargas das residências e de iluminação pública passam a operar após às 19 horas, quando o consumo industrial já está reduzindo”, explica Guth.

Deixe uma resposta