Número de novos casos da covid-19 sobe 566% na cidade

Cidades

Indaiatuba registrou o maior número de novos casos do coronavírus entre as 20 cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC) dos dias 7 e 20 junho, uma alta de 566,7%, segundo estudo do Observatório PUC-Campinas.
Com o avanço da pandemia, a proximidade entre os municípios favoreceu a disseminação da covid-19, e para especialistas, isso deveria ser considerado como estratégia na articulação das medidas de flexibilização da quarentena.
“A região metropolitana é bastante integrada nas relações de produções e consumo, o que indica que as autoridades municipais deveriam articular melhor essas reaberturas e estabelecimento de protocolos pra mitigar os efeitos que essas ações podem ter no crescimento de casos”, destaca o economista Paulo Oliveira, da PUC-Campinas em entrevista para o portal G1.
“O que geralmente acontece é a chegada de um paciente numa cidade grande, a disseminação da doença na cidade grande e aí a partir daquela população que faz o chamado movimento pendular, que vem e volta da cidade grande diariamente, essa doença rapidamente chega naquelas cidades que são fortemente conectadas. É o caso de Campinas, Indaiatuba e vários outros municípios ao redor, Hortolândia, Paulínia”, destaca o professor da Unesp e membro do Centro de Contingência do Coronavírus do Estado, Carlos Magno Fortaleza.
Os números analisados pelo Observatório PUC-Campinas mostram que Indaiatuba foi quem teve o maior número de casos no período, dez vezes mais do que Campinas, que teve evolução de 51% na contaminação em duas semanas. Indaiatuba evoluiu 566,7%, Engenheiro Coelho 185,7%, Pedreira 133,3%, Santa Bárbara d’Oeste 120,4% e Monte Mor 119,4%.
Os baixos índices de isolamento social mostram que não houve conscientização de parcela da população e os casos podem aumentar. As pessoas continuam agindo como se a doença não fosse algo real ou grave, comentou Fortaleza.

Foto: Reprodução

Deixe uma resposta