Novo caso de sarampo é confirmado

Cidades

A Secretaria Municipal de Saúde de Indaiatuba confirmou no último dia 23, mais um caso positivo de sarampo na cidade. O Departamento de Vigilância Epidemiológica recebeu o resultado positivo do Instituto Adolfo Lutz, sendo classificado como autóctone. Este caso, trata-se de uma mulher de 28 anos com duas doses da vacina, sendo uma aplicada em 1991 e outra em 1992, a paciente mora no bairro, Jardim Primavera e apresentou os sintomas no final de julho. O bloqueio familiar, de pessoas próximas e no trabalho da paciente já foi realizado. A mulher foi curada e passa bem. Até o momento foram registradas 38 notificações para sarampo, sendo: 4 positivos (3 autóctones e 1 importado residente); 32 em análise e 2 casos descartados.
Com o resultado positivo os Departamentos de Atenção Básica junto com a Vigilância Epidemiológica irão traçar a estratégia de bloqueio vacinal para todo o bairro Jardim Primavera. Da mesma forma como foram os outros bloqueios a equipe de saúde percorre o bairro aplicando a vacina tríplice viral de forma seletiva, para aqueles que estão com a carteira de vacinação incompleta. De 6 meses a 29 anos são duas doses e de 30 a 59 anos apenas uma dose da vacina comprovada em carteira de vacinação.

Histórico
O primeiro caso é de um menino de 10 anos, residente no bairro Jardim Paulista II com duas doses da vacina tríplice viral, histórico de viagem recente para São Paulo capital e estudante da E.E Annunziatta Leonilda Virginelli Prado.
O segundo caso é uma menina de 1 ano que não frequenta creche e não tem histórico de viagem, é residente no bairro Nova Veneza. A criança apresentou os sintomas em maio e foi atendida em unidade de saúde privada em Salto, a notificação chegou na segunda quinzena de junho por meio de laboratório particular.
O terceiro caso trata-se de uma criança do sexo masculino de 3 anos de idade com duas doses da vacina Tríplice Viral, estuda em escola particular e é residente no Jardim Eldorado, não possuía histórico de viagem.

Foto: Divulgação/Lais Fernandes-PMI

Deixe uma resposta